Reurbanização do Páteo do Colégio

Compartilhe

Abrangência: Bairros e Loteamentos

Classificação: Requalificação Urbana

  • Vitrine

    Perspectiva do Páteo sem igreja

    1 de 6

  • Vitrine

    Perspectiva Praça Padre Manuel da Nóbrega

    2 de 6

  • Vitrine

    Corte

    3 de 6

  • Vitrine

    Implantação

    4 de 6

  • Vitrine

    Páteo do Colégio após construção da igreja

    5 de 6

  • Vitrine

    Talude com Páteo à esquerda

    6 de 6

Num primeiro momento foi preciso entender qual o segredo do sítio. O que tinha feito os jesuítas optarem pela fundação precisamente naquele lugar? Eles haviam chegado, com índios, pelo rio Tamanduateí, que serpenteava lá embaixo, na várzea. Certamente subiram a encosta, em cujos pés iriam depois construir o porto geral - donde o nome da ladeira-, chegando à pequena colina. Haviam subido a um ponto de fácil fortificação, alto em relação à várzea, atrás do qual um planalto se espalhava de forma atraente, defendido do outro lado pelo vale do córrego do Anhangabaú, permitindo a abertura de ruas e a edificação de casas em solo seco e relativamente elevado. Ao final do século 16, a paliçada da fortificação de São Paulo devia estar aproximadamente nas atuais ruas 25 de Março e Líbero Badaró.

Portanto, o segredo do sítio residia na diferença de altitude entre a colina e a várzea. O redesenho implicaria antes de mais nada a reconstituição e liberação dos taludes e seu plantio com algumas espécies nativas. Sobre a colina, no Páteo, quanto menos se mexesse, melhor seria. De forma respeitosa, foi preservada uma única parede-testemunho de taipa e a reprodução da escola e de seu campanário, significativos pela escala modesta, contrapondo-se, de um lado, aos prédios do centro e, do outro, à vastidão da várzea e do céu.

Um piso de desenho simples, as luminárias antigas, um cruzeiro comemorativo e simbólico, e pronto: estava recomposto o sítio da fundação, preparado para a visitação e a meditação respeitosas.

Hoje, essa simplicidade está perturbada. Construíram uma igreja, apertando o espaço disponível na ligação do Páteo com as ruas circundantes e com a casa da marquesa de Santos. E, problema mais grave porém fácil de resolver, o lugar sagrado está ocupado pelo estacionamento da Associação Comercial.