Plano de Aplicação Imediata de Santos

Compartilhe

Abrangência: Cidade

Classificação: Planos Diretores

  • Vitrine

    SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

    1 de 5

  • Vitrine

    renovação urbana

    2 de 5

  • Vitrine

    HIERARQUIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO

    3 de 5

  • Vitrine

    APROPRIAÇÃO DO TRÁFEGO

    4 de 5

  • Vitrine

    ESTUDO DE LOCALIZAÇÃO DE COBRANÇA

    5 de 5

O Plano de Aplicação Imediata de Santos determina eixos de ação a partir da necessidade de reformulação e reestruturação de questões urbanas fundamentais para o desenvolvimento adequado da região. A situação de crise urbana da baixada santista em meados da década de 70 decorre da pressão exercida pela proximidade com a Região Metropolitana de São Paulo, tanto no que se refere ao turismo quanto ao desenvolvimento industrial. A estrutura urbana desordenada da cidade exigia uma política regional de requalificação e adequação aos seus usos.

O Plano de Ação foi dividido em quatro eixos propositivos:

  • Política de Uso do Solo Regional, visando estruturar as relações intermunicipais e ordenar as forças produtivas atuantes na região;
  • Renovação Urbana, visando à preservação e valorização de áreas urbanas de interesse cultural e paisagístico e a requalificação urbana através da delimitação de áreas para renovação e programas de implantação de praças;
  • Política de Revitalização da Estrutura Turística e da orla com ordenação de tráfego, ampliação das faixas de mercado turístico e integração do espaço físico construído;
  • Integração Portuária, prevendo ordenação de fluxos e tarifas de circulação associadas ao porto, para obtenção de contrapartida que permitisse à prefeitura enfrentar os impactos urbanos das atividades portuárias.