Conversas na praça com o Núcleo Educativo do Sesc Consolação

Compartilhe

Categoria: Eventos

A exposição “Conversas na Praça – o urbanismo de Jorge Wilheim” promoveu entre setembro e dezembro de 2019 uma extensa programação de atividades relacionadas ao legado de um dos grandes nomes da Arquitetura e Urbanismo do país. Com curadoria de Guilherme Wisnik, a mostra gratuita ocupou a área de convivência do Sesc Consolação, em São Paulo, e estimulou o público à reflexão sobre cidades mais humanas, justas e sustentáveis.

O material expositivo foi composto por desenhos técnicos, croquis, fotografias, vídeos e arquivos sonoros. O conjunto apresenta as principais obras e projetos do urbanista: o Parque Anhembi; a cidade de Angélica, no Mato Grosso do Sul; a reconfiguração do Pátio do Colégio; o calçadão da Rua Augusta; os planos diretores das cidades de Curitiba e Joinville; e a reurbanização do Vale do Anhangabaú.

Como parte das atividades em torno da exposição, o Núcleo Educativo do SESC - Consolação desenvolveu com o público visitante diversas atividades pensadas a partir das obras apresentadas. Dentre as atividades realizadas, algumas aconteceram durante a visita na exposição com grupos agendados e outras conforme a demanda de público, como a utilização de visor, cartazes, desenho de cidade afetiva, cartões postais, entre outras.

Visor

A atividade consiste em utilizar uma moldura cortada em papel paraná que limita o campo de visão de quem a está usando e com isso proporciona um novo olhar para o que já se está olhando. Aproximando e afastando o visor dos olhos, é possível criar uma espécie de zoom para ter novas perspectivas.

Construção de cidade com pessoas

Nessa atividade os visitantes são convidados a pensar suas relações com o urbano a partir da simulação de uma cidade realizada com seus próprios corpos, sem fala, que apresenta visualmente suas interpretações com uso da linguagem teatral.

Cartazes

Após a visita na exposição, o visitante é convidado a pensar quais são as deficiências do entorno de onde mora e como poderiam a partir de cartazes tornar visível seu descontentamento e a apresentação de propostas para esses problemas.

Desenho de cidade afetiva

Os visitantes são convidados a desenhar pontos de referência pelos quais passam durante seu caminho de casa até a escola. Alguns pontos se repetem e a partir de tudo o que é desenhado, os visitantes refletem coletivamente porque foram escolhidos estes elementos e quais poderiam ser substituídos para tornar a cidade mais coerente.

Cartões Postais

A proposta para essa atividade surge a partir da leitura do livro “Fax: Mensagens de um futuro próximo”, de Jorge Wilheim. Com utilização de cartões postais em branco, a ideia é propor a troca de mensagens entre pessoas desconhecidas, sem se esperar uma devolução, apenas no intuito de gerar reflexões. Cada pessoa é convidada a fazer uma arte para a parte frontal do postal e na parte de trás escrever uma mudança que gostaria para melhorar a cidade. Esse postal é então colado na parede no fundo a exposição e quem faz um postal pode levar para sí o que outra pessoa fez, recebendo sua proposta de mudança.

Mistérios na Praça

Inspirados pelo tradicional Caça ao Tesouro, a atividade estimula uma investigação pela exposição para encontrar as pistas escondidas pelo espaço e obras de Jorge Wilheim. A cada pista encontrada, o educador revela o mistério daquele ponto, que leva para a pista seguinte. Ao final, os participantes recebem um pacote de sementes para serem plantadas onde quiserem, inspirados pela pista final que leva ao projeto de reflorestamento da Mata- atlântica.

Jogo do terreno baldio

Nessa proposta, ainda em construção mas já sendo aplicada, os visitantes ficam em volta de um “tabuleiro” desenhado pelo educador com um terreno baldio ao centro, em volta desse terreno eles decidem o que é importante de ser colocado, como escola, praça… depois é feita uma votação para saber qual terreno deve ser desapropriado, pois será construído um metrô no terreno baldio. Depois é feita mais uma votação para decidir onde irão surgir problemas e como resolvê-los. A atividade propõe uma reflexão sobre a urbanização das cidades.

Fórum

Após a visita, os educadores selecionam um tema polêmico, como a ocupação de terrenos, e dividem os visitantes em dois grupo. Um deles precisa defender as ocupações e outro argumentar contra. Os educadores fazem a mediação e estimulam os participantes a pensar propostas para a situação.

Cidade Fragmentada

Nessa atividade os visitantes são convidados a desenhar um lugar especial para eles, que acreditem que deva fazer parte de uma cidade. Os desenhos são organizados no chão de forma a criar o que seria uma cidade para os participantes. Depois de terminada a visita, eles olham novamente para a organização feita por eles da cidade e discutem se mudariam algo de acordo com o que conversaram durante a visita.

Alguns comentários colhidos pelos educadores durante as atividades:

"Nossa, o que eu mais gostei nessa exposição é que ela parece mesmo uma praça, dá vontade de ficar sentada aqui conversando com os amigos."

"Me impressiona essa quantidade de projetos grandes, fico com vontade de fazer algum projeto também"

"Queria ter conhecido o Jorge para ficar conversando com ele na Praça"

"Gostaria de ter tido essa ideia de reflorestar a Serra do Mar, foi uma solução tão simples, poderiam fazer em todas as florestas"

"Vir nessa exposição faz parecer que é possível mudar para melhor o lugar onde moramos"

"Fiquei com vontade de ser urbanista"

 

Crédito das fotos: Educativo da Exposição.

COMENTÁRIOS