Inauguração da exposição Conversas na praça: o urbanismo de Jorge Wilheim no Sesc Consolação

Compartilhe

Categoria: Eventos

No dia 19 de setembro de 2019, o Sesc São Paulo inaugurou na unidade Consolação a mostra "Conversas na Praça - o urbanismo de Jorge Wilheim". Com curadoria de Guilherme Wisnik, a exposição que acontece entre 20 de setembro e 14 de dezembro recupera o legado de um dos grandes nomes da arquitetura e do urbanismo no país e convida o público à reflexão sobre cidades mais humanas, justas e sustentáveis. Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo; o curador Guilherme Wisnik; e a propositora do projeto, Ana Maria Wilheim, filha do arquiteto e urbanista, participaram da cerimônia de abertura da mostra.


“Não há um padrão de defina uma cidade. Conectadas a espaços, histórias e culturas, permanecem passíveis de transformações ao longo do tempo dadas as interações realizadas. Nesse dinamismo citadino encontram-se os modos de projetar as condições adequadas de habitação às populações humanas, sendo o urbanismo e a política urbana duas das possibilidades deste planejamento para melhor viver. Nesta seara, distingue-se por seu trabalho o urbanista, arquiteto e gestor público Jorge Wilheim, que se dedicou a pensar e planejar as cidades, considerando, para tanto, indispensável a participação social em seus ambientes.” - Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo.

O material expositivo é composto por desenhos técnicos, croquis, fotografias, vídeos e arquivos sonoros. O conjunto apresenta as principais obras e projetos do urbanista: o Parque Anhembi; a cidade de Angélica, no Mato Grosso do Sul; a reconfiguração do Pátio do Colégio; o calçadão da Rua Augusta; os planos diretores das cidades de Curitiba e Joinville; e a reurbanização do Vale do Anhangabaú.

 

 

“A atividade do urbanista é essencialmente política. Está ligada ao Estado, que é a instituição capaz de zelar pelo bem coletivo, oferecendo resistência aos interesses legítimos, porém particularistas, do mercado imobiliário, que visam ao lucro e promovem, muitas vezes, a exploração da terra e das pessoas que habitam as cidades. ‘ Governar é fazer escolhas’, lembrava Jorge Wilheim. Fazer urbanismo é adentrar uma arena de disputas e conflitos, podemos completar. Num tempo de pós-verdades e de notícias manipuladas, em que o Estado e o planejamento estão cada vez mais desacreditados, recuperar o legado de um dos nossos maiores urbanistas é uma atitude política.” - Guilherme Wisnik, curador da mostra.

A expografia, assinada por Pedro Mendes da Rocha, transformou o Espaço de Convivência da unidade em uma praça, onde as pessoas podem interagir com o conteúdo exposto, além de dialogar sobre a importância de espaços públicos que acolham os habitantes.

 

 

O público poderá se aprofundar na vida e obra de Wilheim, desde sua saída precoce da Itália, por conta da Segunda Guerra, até a carreira como arquiteto, urbanista e gestor público, onde desenvolveu e aplicou importantes modelos de planejamento e urbanização em mais de 20 cidades brasileiras.

"O ambiente da exposição dialoga com o Projeto do Vale do Anhangabaú. Toda a área de convivência do Sesc Consolação se transformou em uma praça com bancos e atividades de convivência cultural com música, vídeos, livros, debates e aulas. A exposição traz uma densa linha do tempo com a demonstração dos principais feitos de Jorge nos seus 85 anos de vida e 60 anos de carreira. Numa longa mesa-vitrine estão expostos plantas, desenhos e fotos de alguns de seus projetos de arquitetura (edifícios, residências, instituições). Em quatro telas estarão projetados vídeos sobre a reurbanização do Anhangabaú; o projeto do Parque Anhembi; Nova Augusta; Uma praça, quatro vilas; e vídeos com participação de Jorge. Em bancos de praça foram instaladas caixas de som com músicas extraídas da sua discoteca erudita e a aula inaugural de Jorge na Escola da Cidade, em fevereiro de 2012. O catálogo da exposição em formato de jornal traz recortes de jornais da época dos projetos executados e noticiados. Além disso, ao longo dos meses em que a exposição estará aberta ao público, o Sesc Consolação oferecerá aulas e palestras sobre urbanismo e o legado de Jorge.” - Ana Maria Wilheim, filha do arquiteto.

 

“O sentimento de solidariedade humana não é produzido por um espaço urbano; o lugar da solidariedade está em nossas mentes. Contudo, ele tem impacto sobre as cidades e exige espaços adequados, abertos, sem catracas, atraentes e democráticos o suficiente para acolher a expressão coletiva da cidadania.” - Jorge Wilheim

 

COMENTÁRIOS