Jorge Wilheim recebe homenagem da Assembleia Legislativa de Curitiba

Compartilhe

Categoria: Eventos

O legado do arquiteto e urbanista Jorge Wilheim (1928-2014) pode parecer invisível em um primeiro momento, mas é vivido diariamente pela população de Curitiba. Wilheim foi o principal pensador do Plano Preliminar de Urbanismo de Curitiba (PPU), elaborado na década de 1960, e um dos responsáveis pela criação do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC). Estes são dois marcos cruciais do desenvolvimento urbano da capital paranaense. 

A vida e obra do arquiteto e urbanista, celebrados no dia 5 de junho de 2019, na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) durante a Audiência Pública “Jorge Wilheim, um homem que pensa a cidade”. A homenagem póstuma ocorreu no Dia Mundial do Meio Ambiente. 

>> Confira a cobertura do evento pela TV Assembleia do Paraná 

Durante a audiência, proposta pelo deputado Goura (PDT), foi concedido a Wilheim o título de Cidadão Honorário de Curitiba (“in memoriam”). A honraria foi proposta em 2018 pelo vereador licenciado Hélio Wirbiski (PPS), na época presidente Comissão de Urbanismo, Obras Públicas e Tecnologias da Informação da Câmara Municipal de Curitiba (CMC), e pelo deputado Goura, então vereador.

O Plano Preliminar de Urbanismo de Curitiba (1965) não tratou de projetar uma nova cidade: a ideia de Wilheim era intervir em uma cidade existente, que crescia de forma acelerada e já apresentava problemas comuns às grandes cidades. A partir da percepção do crescimento da população e a mudança do modo de vida, o urbanista orientou o desenvolvimento de Curitiba por meio de um planejamento contínuo e sustentável. O modelo era inovador e pensava a cidade a partir de uma leitura das necessidades urbanísticas da capital. Na mesma época, cria-se um grupo permanente para acompanhar o planejamento de Curitiba. Era a gênese do IPPUC e da cidade como referência mundial em urbanismo.

O que apresentava o plano de tão inovador, a ponto de ser cantado aos quatro ventos?

Ele rompia com esquemas urbanísticos formais e utilizava ao máximo as circunstâncias e estruturas existentes, mantendo aspectos que eram valorizados pela população. Apoiado em vias já instaladas, propus duas vias estruturais que tangenciariam o centro sem cruzá-lo e uniriam quatro bairros, que poderiam se desenvolver como pólos secundários de centralidade. O plano permitia que o centro se expandisse para sudoeste e lhe dava características boas para o pedestre, retirando o tráfego da rua principal - a Quinze de Novembro, depois rebatizada de rua das Flores.

Trecho do livro A obra pública de Jorge Wilheim (São Paulo, DBA, 2003).

“Esta homenagem é um agradecimento a Jorge por seus feitos à cidade e ao Brasil. Curitiba até hoje é referência em urbanismo. Isso não se deve apenas a nomes como o do ex-governador Jaime Lerner, mas de seus antecessores. Wilheim deu importantes contribuições à cidade, com um olhar mais humano e propondo a discussão de uma urbanização mais sustentável”, explicou Goura.

Os filhos do arquiteto, Ana Maria e Carlos, estiveram presentes na homenagem. Ela é socióloga, responsável pelo projeto Legado de Jorge Wilheim, e relembrou algumas histórias do pai. “Hoje seria um dia de grande alegria para ele. Jorge Wilheim era um artista. Os amigos o chamavam de um renascentista humanista no século XXI”, contou. Ana Maria disse que em toda sua vida o pai uniu cultura, ciência e tecnologia. “Ele era um homem focado, centrado e pouco vaidoso. Ele observava como as pessoas usavam a cidade. Seu compromisso sempre foi com o bem comum”.

Também participaram da homenagem o presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil (Núcleo Paraná), Luiz Reis, a coordenadora da Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas (Núcleo Paraná), professora Letícia Hardt, a doutora em gestão urbana e professora de planejamento urbano da Universidade Federal do Paraná, Letícia Gadens, o engenheiro civil e parceiro de Jorge Wilheim na elaboração do Plano Diretor de São Paulo (2002), Ivan Carlos Maglio, o diretor financeiro do Sindicato dos Arquitetos do Paraná, Julio Cesar Kajewski, e a representante do Conselho de Arquitetura e Urbanismo, Rafaela Weigert. 

Todos destacaram a importância do homenageado para a arquitetura e o urbanismo nacional. “Atualmente, Curitiba vem se modificando, mas a essência pensada por Jorge se mantém”, definiu Letícia Hardt. “O planejamento urbano e a preservação do meio ambiente estão em crise no Brasil atual. Então esta discussão em torno do legado de Jorge Wilheim reforça valores importantes”, lembrou Ivan Carlos Maglio. “Curitiba era como uma cidade qualquer do Brasil. Hoje você vê a diferença. Jorge teve grande importância nisso”, resumiu Luiz Reis.

Fonte 

Confira a galeria de fotos da homenagem

Saiba mais sobre o Plano Preliminar de Urbanismo de Curitiba

COMENTÁRIOS